TAG | Viciada em Séries

3 de agosto de 2017

Tag: Viciada em Séries
Reprodução: insta @disseocorvo
Comentários negativos e que não tenham a ver com o post serão deletados e dono leva block #paz

Olár humanos, vim espantar os moguerço morcegos do blog porque né, saudades ter criatividade de sobra para fazer uma penca de postagens como antes. Não, não vim lamentar sobre o bloqueio criativo, felizmente isso já passou but o problema agora é virar o dia fazendo vários nadas como ficar jogando. Pois é, quem me acompanha no twitter sabe que comecei a jogar Outlast — sim, de novo — para poder abrir um quadro novo aqui no blog sobre games de horror/terror, só que minha cabeça vive focada naquela caralha droga de manicômio, white girl problem. Crueldade para quem precisa da criatividade para trabalhar.
Anyway, parece que a anta o ser que vos fala não aprende e acumula tags para responder, mas essa que irei liberar mexeu com meu ponto fraco, é sobre SÉRIES. Vê se pode uma fofura dessas? Inclusive eu prometo que não irei ficar citando The Walking Dead e Supernatura aqui — cês já sabem que são meus amorzinhos mesmo — então vou focar em outras que merecem a atenção de cada um que passar por aqui. E quem me indicou para responder essa belezinha? A Raíssa do Mamãe e Geek né mores, vamos enaltecer minha miga blogayra né. Bom, sem mais delongas senão vou ficar aqui falando pelos cotovelos.

1. QUAL SEU SERIADO ATUAL FAVORITO?


Meu seriado atual favorito é From Dusk Till Dawn: The Series, fim. Podem me xingar o quanto quiserem mas vocês não tem noção do quanto sou apaixonada por essa série, com ou sem os furos, mesmo amando os clássicos com todas minhas forças. Numa era onde referência para séries de vampiros é aquela porcaria droga que todo mundo idolatra conhecida como The Vampire Diaries — cês me perdoem mas aquilo ficou ruim de engolir depois que os Originais saíram —, qualquer outra que aborda os sugadores amantes da noite eu estou aceitando, como The Strain, eita coisa gostosa de assistir. Mas FDTD me conquistou pela sangria abundante sabe, a estética dos culebras é uma beleza a parte e reconheço isso, mas as cenas sanguinolentas são muito Tarantinianas. E não tem como não se apaixonar pelos hermanos Gecko do DJ Cotrona e Zane Holtz ou pela Santanico Pandemonium da Erza Gonzalez, vão por mim. Tem na Netflix, vale a pela fazer maratona.

Sempre tive vontade de usar essa gif, haha.

O Legado de Edgar Allan Poe

12 de julho de 2017

Reprodução: algum lugar do Google,
Comentários negativos e que não tenham a ver com o post será deletados e o dono leva block #pas

Olár humanos. Antes de começar a falar pelos cotovelos quero anunciar que tomei vergonha na cara e parei de alto me sabotar em relação aos contos/livros escritos pela anta escritora que vos fala. Tem uns meses que eu estava organizando aquela bagunça marota nos rascunhos e agora digo que voltarei a postá-los naquele perfil do Wattpad que usava só para guardar o user. Perdoem minha pirraça com isso e não desistam de mim. Enfim, na postagem de hoje eu venho encher o saco falar um poucos do autor responsável pelo meu amor a leitura e, sem muitas surpresas, é Edgar Allan Poe, dito cujo que fortaleceu meu amor pelo medo oculto na leitura. Foi por isso que larguei o falecido Orelha do seu Gogh, quando conheci as obras do sor Poe simplesmente coloquei na cabeça que necessitava de um cantinho tão solitário quanto o voo de uma ave preta vinda das trevas infernais. Então, do lúgubre inverno de Outubro do ano de 2014 nasceu o Disse o Corvo, um lugar onde suas insanidades são tratadas com carinho.
Como deixei passar batido o aniversário do meu autor favorito, venho na intenção de redimir-me com essa postagem já que cometi esse pecado contra a palavra dele. Só para vocês terem noção sobre a importância deste humilde homem no impacto da literatura: a estrutura do conto, como se conhece e se produz hoje em dia, foi inteiramente pensada por Poe. Ficaram curiosos? Espero que sim, é só continuar rolando a página para saber um pouco sobre O Legado de Edgar Allan Poe. Tirem o sapato para entrar, fiquem a vontade.